Agora médicos são influencers digitais. E eles não estão totalmente prontos para isso
Humanos e tecnologia

Agora médicos são influencers digitais. E eles não estão totalmente prontos para isso

A pandemia está transformando os médicos em influencers digitais populares, mas mesmo o mais bem-sucedido diz que manter uma influência positiva é difícil.

Quando o presidente Donald Trump sugeriu, durante uma conferência de imprensa, que os médicos deveriam procurar tratar os pacientes da COVID-19 com uma “injeção” de desinfetante, “ou quase uma limpeza interna”, Austin Chiang, gastroenterologista do Thomas Jefferson University Hospital na Filadélfia, sabia que tinha que reagir.

De bata e uniforme médico, com um estetoscópio pendurado no pescoço, e olhando diretamente para a câmera, Chiang sentou-se diante de uma manchete sobre os comentários de Trump, e imitou um grito escrevendo na tela em seguida:

“Eu prometo que não fingirei saber como governar um país se você não fingir que sabe como praticar medicina”. O vídeo, publicado um pouco depois dos comentários de Trump, rapidamente ganhou dezenas de milhares de visualizações.

Chiang é membro da nova geração de médicos e profissionais de saúde que conquistaram seguidores em plataformas online como TikTok, Instagram, e YouTube. As credenciais médicas deles dão peso às suas opiniões sobre o vírus.

Enquanto médicos que se tornaram famosos pela TV tiveram que se desculpar por menosprezar o vírus e sugerirem que perder algumas vidas era um preço aceitável a se pagar ao reabrirem escolas, alguns dos novos médicos-influencers estão a posicionar-se de forma diferente. Na melhor das hipóteses, essa onda de especialistas populares pode combater a desinformação fazendo com que a medicina responsável pareça quase tão emocionante quanto as dezenas de teorias da conspiração médica, alegações exageradas e promessas milagrosas que se espalham rapidamente na internet.

Para alguns, é uma lacuna que estava à espera de ser preenchida. As personalidades de cura natural que vendiam informações dúbias foram “os primeiros utilizadores” das redes sociais, diz Renee DiResta, investigadora do Observatório da Internet de Stanford que estuda desinformação em saúde. Quando plataformas como o Facebook e o YouTube começaram a reprimir alegações falsas de saúde, esses “aldrabões” já estavam a vender “curas” em grupos do Facebook, acumulando milhões de visualizações no YouTube e aparecendo nos resultados do Google.

“Eles vendem as suas “curas” ao usar as mesmas técnicas que as marcas usam para vender sapatos,” diz DiResta. “Com uma camada adicional de misticismo por meio de algumas estratégias que sugerem que eles têm conhecimento exclusivos, como ‘A cura que eles não querem que você saiba!’”

Profissionais médicos com sua base na ciência estão a tentar recuperar o atraso.

O “buraco negro” da experiência na internet

“Na verdade, acho que a falta de médicos de qualidade nas redes sociais levou ao aparecimento de influencers sociais que lançam curas milagrosas e chás de desintoxicação e tudo isso”, refere Mikhail Varshavski, também conhecido como “Doutor Mike”, médico de família em Nova Jersey que tem mais de 5 milhões de inscritos no YouTube. Até recentemente, acrescentou, as redes sociais médicas voltadas para personalidades “eram apenas um buraco negro onde os médicos não estavam lá porque não querem ser percebidos como não profissionais e, como resultado, a desinformação prospera”.

https://youtu.be/Cr_A5Z8dbzI

Mas a fama online para médicos e enfermeiros traz riscos que só são aumentados pela importância de seu trabalho. E à medida que mais e mais profissionais da área médica acessam a internet para orientar o público e combater a desinformação, há um risco adicional de que eles se tornem parte do problema que estão a tentar combater.

As mesmas coisas que ajudam Austin Chiang a alcançar um público mais jovem no TikTok podem, se não tiver cuidado, prejudicar a confiança que o seu público tem em profissionais médicos. É preciso ser engraçado para gerar interação no TikTok sem parecer constrangedor ou sem uma conexão com a cultura da aplicação. E tem que manter aquela posição sem cruzar a linha para um comportamento antiético. Houve, por exemplo, profissionais médicos que usaram o TikTok para gozar com os seus pacientes. E mesmo aqueles com as melhores intenções e informações precisas podem se encontrar em apuros quando entram em um novo meio.

“Como nos apresentamos online sem diminuir a confiança do público em nós?”, diz Chiang. “Existem muitas pessoas por aí que são novas na plataforma e que dirão coisas sem pensar duas vezes.”

Boas intenções, maus resultados

Observe o caso de Jeffrey VanWingen, por exemplo, que administra uma clínica particular no oeste do Michigan. Ele queria ajudar o público ao filmar um vídeo na sua cozinha antes do trabalho com um conteúdo que acreditava que o mundo precisava ver: “Anúncio de Serviço Público: Dicas de compras de supermercado em tempos de COVID-19”. Era 24 de março; o governador do seu estado iria emitir ordens de confinamento no dia seguinte. VanWingen não é um epidemiologista ou especialista em segurança alimentar, mas conhecia técnicas de esterilização que, acreditava, poderiam ser adaptadas para ajudar as pessoas a impedir que o coronavírus entrasse nas suas casas junto com as suas compras.

Embora soubesse que o risco de alguém ficar doente ao tocar em compras era provavelmente muito baixo (o principal risco das compras hoje em dia vem das outras pessoas da loja consigo), “Mesmo muito baixo não é desprezível. Não é nada. E acho que o meu objetivo era capacitar as pessoas a evitarem o risco de ficarem infetadas com COVID-19”, declara.

O vídeo de 13 minutos de VanWingen demonstrou os procedimentos para desinfetar diferentes tipos de comida. A sua voz calma guiava os espectadores ao despejar alimentos em recipientes “limpos”, desinfetar embalagens e lavar produtos. Enquanto um público em pânico procurava algo que pudesse fazer para ter algum controlo  à medida que um vírus aterrorizante se espalhava, o vídeo foi amplamente partilhado nas redes sociais, e enviado entre amigos por e-mail. O vídeo, o primeiro no seu canal no YouTube, ganhou 25 milhões de visualizações e continua a crescer. Mas o vídeo também é, em alguns pontos, dúbio.

https://youtu.be/sjDuwc9KBps

No vídeo, VanWingen sugere inicialmente lavar os seus produtos com sabão; mas é melhor enxaguar frutas e legumes em água fria porque os resíduos do sabão podem causar problemas digestivos. E a sua sugestão de deixar as compras do lado de fora ou na garagem por alguns dias antes de trazê-las para dentro da sua casa precisava de um esclarecimento de que esse não seria um procedimento seguro para produtos perecíveis.

Embora VanWingen tenha pressionado o YouTube a permitir que ele editasse o vídeo e excluísse a parte com conselhos potencialmente prejudiciais, não poderia fazer mais do que excluí-lo. Optou por não o fazer. Em vez disso, encheu a descrição do vídeo com atualizações vinculadas a informações novas e mais precisas. Mas, menciona, ainda defende a maioria dos conselhos dados.

“Se você associar o Dr.VanWingen com desinformação, isso tem um peso enorme para mim”. Comparado a outros, Chiang refere que o erro dele foi inocente e dificilmente terá consequências terríveis. “Já vi médicos a promoverem, por exemplo, hidroxicloroquina e até mesmo a fomentar o medo”, alerta, referindo-se ao tratamento para a COVID-19 não comprovado e, de acordo com a Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (em inglês, FDA), potencialmente perigoso promovido por Trump . “Isso certamente não é algo que eu faria”.

E as pessoas que podem obter visualizações por uma mensagem médica nas redes sociais não são necessariamente as mais qualificadas para elaborá-la. Eric Feigl-Ding, um epidemiologista que agora tem muitos seguidores no Twitter, graças aos seus tweets sugestivos sobre a COVID-19, teve a sua experiência e análise questionadas por outros epidemiologistas.

Varshavski – o Dr. Mike – tornou-se o especialista médico do YouTube depois de um artigo do Buzzfeed de 2015 sobre a sua conta no Instagram o ter apelidado de “médico atraente”. E, embora *enfatize frequentemente para o público que a “opinião de um especialista”, incluindo a dele, é “a forma mais fraca de evidências”, é mais provável que o seu público confie mais no que ele diz nos seus vídeos do que pesquisar e ler um estudo sobre o mesmo assunto. Isso não é necessariamente mau, se as informações forem sólidas e claramente apresentadas – descreveu o seu papel durante a pandemia como ao transformar-se essencialmente num porta-voz e numa plataforma para o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (em inglês, CDC), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os principais especialistas da área.

Mas é fácil perder este equilíbrio.

“Se você é médico, popular e as pessoas procuram-no em busca de orientação, e você acredita que a sua opinião de especialista, sem qualquer tipo de pesquisa que a prove, supera as orientações do CDC e da OMS, você ultrapassou os limites,” ele diz.

E esse é o desafio central: as pessoas recorrem à internet para obter informações durante uma crise de saúde, seja ela pessoal ou uma que o mundo inteiro enfrenta. Mas as melhores e mais precisas informações nem sempre são empacotadas e otimizadas de uma maneira que atraia um público curioso em busca de certeza. Para cada vídeo do CDC com os estudos mais recentes sobre o coronavírus, existe alguém que afirma ser a única pessoa disposta a lhe dizer o que “os médicos não querem que você saiba”. Além disso, um presidente amplia ideias potencialmente perigosas para que se tornem grandes notícias.

Médicos tornam-se marcas

Também há outro desafio enfrentado por esses médicos influencers: marca e dinheiro. Personalidades como o Doutor Mike transformam informações precisas em assuntos interessantes tornando-se influencers, mas também precisam de descobrir uma maneira de fazer isso sem cair numa armadilha ética.

As pessoas tornam-se famosas online, tornando-se marcas humanas. Mas “transformar-se numa marca também pode levar as pessoas numa direção diferente”, avisa Chiang. “Algumas pessoas já estão a comparar-nos com as grandes empresas farmacêuticas. A última coisa que querem ver é que nós estamos a vender uma ideia ou um produto”.

Varshavski, como muitos criadores de conteúdo, aceita parcerias para as suas contas do Instagram e do YouTube, mas diz que precisa garantir que esses patrocínios não pareçam recomendações médicas. Chiang, que também atua como diretor médico das redes sociais do seu hospital, deve examinar cuidadosamente quais desafios do TikTok em que participa e as músicas que usa, para evitar associar sua imagem e a sua profissão a algo ofensivo ou de mau gosto. Chiang é instrutivo no TikTok, mas consegue adaptar-se efetivamente à forma como os utilizadores já usam a aplicação. E isso nem sempre é algo que os médicos são capazes – ou interessados ​​em tentar aprender a fazer.

“Historicamente, nunca houve nenhum tipo de ensino em treinos médico sobre como se comunicar a um nível público com as nossas comunidades e com os nossos pacientes”, considera.

A fama online pede destreza e cuidado a um nível que a maioria das pessoas subestima. E especialmente para médicos e outras pessoas que trabalham em áreas que são alvo de desinformação, existem alguns riscos mais sérios. Chiang ressalta que algumas empresas simplesmente roubam conteúdo de profissionais médicos nas redes sociais e o utilizam para vender os seus produtos. E combater a desinformação médica online pode irritar aqueles que acreditam nela, potencialmente colocando em risco a segurança pessoal dos médicos que tentam combatê-la.

Mas Chiang e Varshavski dizem que os riscos valem a pena, especialmente se ter mais médicos online ajudar as pessoas a encontrarem melhores informações sobre sua saúde.

Como médicos que estão na internet, mas também tratam pacientes reais, podem ver em primeira mão como a desinformação afeta as pessoas. Em abril, Varshavski tratou cinco pacientes com sintomas leves de COVID-19 e cada um pediu hidroxicloroquina, um tratamento possivelmente arriscado que pode causar problemas cardíacos graves em alguns pacientes. Alguns disseram a Varshavski que tinham ouvido falar do remédio na TV.

Tópicos