Conheça a mulher que decidirá quais emojis utilizaremos
Humanos e tecnologia

Conheça a mulher que decidirá quais emojis utilizaremos

A nova chefe do Subcomitê de Emoji do Consórcio Unicode, Jennifer Daniel, tem o intuito de fazer com que esses símbolos funcionem para todos.

Os emojis agora fazem parte da nossa linguagem. Se for como a maioria das pessoas, adiciona-os nos seus textos, posts do Instagram e vídeos do TikTok várias pequenas imagens para ampliar o impacto da sua mensagem — talvez a seringa com um pouco de sangue pingando quando foi vacinado, as mãos em sinal de oração (ou o “toca aqui”?) como uma forma mais simples de dizer “obrigado”, um rosto sorridente de bochechas rosadas com braços abertos para um abraço seguro de longe, livre da Covid-19. O catálogo de emojis de hoje inclui cerca de 3.000 ilustrações que representam tudo, desde emoções a alimentos, fenómenos naturais, bandeiras e pessoas em vários estágios da vida.

Por trás de todos esses símbolos está o Consórcio Unicode, um grupo sem fins lucrativos de empresas de hardware e software com o objetivo de tornar textos e emojis legíveis e acessíveis a todos. Parte do seu objetivo é fazer com que os idiomas tenham a mesma aparência em todos os dispositivos; um caractere japonês deve ser tipograficamente consistente em todas os media, por exemplo. Mas o Unicode é provavelmente mais conhecido por ser o guardião dos emojis: lançando-os, padronizando-os e aprovando ou rejeitando novos.

Jennifer Daniel é a primeira mulher no comando do Subcomitê de Emoji do Consórcio Unicode e uma defensora feroz de emoji inclusivos e conscientes. Inicialmente ganhou destaque por apresentar X Natal, uma alternativa inclusiva de género para o Pai Natal e Mãe Natal; uma pessoa sem género amamentando um bebê sem género; e um rosto masculino usando um véu de noiva.

Agora está numa missão de adaptar os emojis a um futuro pós-pandémico no qual eles se tornem os mais representativos possíveis. Isso significa assumir um papel cada vez mais público, seja com a sua newsletter popular (e maravilhosamente nerd) no Substack, What Would Jennifer Do?, onde analisa o processo de design para os próximos emojis, ou convidando os utilizadores em geral a apresentar preocupações sobre os emojis e falar se não forem representativos ou precisos.

“Não há precedente aqui”, diz Jennifer sobre o seu trabalho. E para ela, isso é emocionante para o futuro da comunicação humana como um todo.

Conversamos sobre sua visão quanto ao seu papel e o futuro dos emojis.

O que significa presidir o subcomitê de emoji? Quais são as suas tarefas?

Não é sexy. [risos] Tem muito a ver com a gestão de voluntários [o comité é composto por voluntários que analisam as inscrições e ajudam na aprovação e design]. Há muita papelada. Muitas reuniões. Encontramo-nos duas vezes por semana.

Eu leio muito e converso com muitas pessoas. Recentemente, conversei com um linguista corporal para aprender como as pessoas usam as mãos em diferentes culturas. Como podemos melhorar o emoji de gestos com as mãos? Se a imagem não for boa ou não estiver clara, é um problema. Estou constantemente a fazer muitas pesquisas e consultoria com diferentes especialistas. Estou ao telefone com um botânico para falar sobre flores, ou com um especialista em baleias para acertar o emoji de baleia, ou com um cirurgião cardiovascular, para analisarmos a anatomia do coração.

Há um antigo ensaio de Beatrice Warde sobre tipografia. Esta perguntava se um bom tipo de letra seria mais parecido com uma taça de cristal adornada ou transparente. Alguns diriam que é a ornamentada porque é muito chique, e outros diriam que é a taça de cristal porque pode ver e apreciar o vinho. Com o emoji, presto mais à filosofia do “cálice de cristal transparente”.

Por que devemos nos preocupar com o design de nossos emojis?

O meu entendimento é que 80% da comunicação é não verbal. Existe um paralelo em como nos comunicamos. Enviamos mensagens de texto como falamos. É informal, relaxado. Fazemos pausas para respirar. Emojis são partilhados ao lado de palavras.

Quando os emojis surgiram pela primeira vez, pensamos erroneamente que estavam a arruinar a linguagem. Aprender um novo idioma é muito difícil, e emoji é como um novo idioma. Seguem a forma com a qual já nos comunicamos. Evolui conforme você evolui. A forma como se comunica e se apresenta evolui, assim como nós mesmos. Pode olhar para os quase 3.000 emojis e [a sua interpretação] muda por idade, sexo ou área geográfica. Quando falamos com alguém e fazemos contato visual, mudamos a nossa linguagem corporal, e isso é um contágio emocional. Isso cria empatia e conexão. Permite revelarmos alguma coisa sobre nós mesmos. Os emojis podem fazer isso, tudo numa imagem.

O último lançamento de emoji, o primeiro sob a sua gestão, inclui um rosto coberto de nuvens. Pode ter vários significados como por exemplo, alguém que está confuso pelos seus pensamentos, ou a fumar erva, ou alguém que está mortificado. Talvez não tenhamos descoberto outra explicação ou haja outro entendimento cultural sobre isso também! O que quero dizer é que é totalmente diferente do emoji básico de rosto sorridente, por exemplo. Como está a pensar em criar emojis com camadas de significado?

A internet está cheia de metáforas. Nós nos apoiamos muito nisso. Diz, por exemplo, “Eu sinto-me atacado”. Isso significa que viu algo que realmente o atingiu. Você não está realmente a ser atacado. Mas está a transmitir esse sentimento, e a outra pessoa entende. O rosto de cabeça para baixo – é uma sensação. Passa uma energia. Talvez olhe para ele e veja isso ao lado de uma série de palavras e saiba que uma pessoa perdeu um pouco a cabeça ou está a ser sarcástica. É flexível com base no contexto.

Conceitos abstratos são globalmente relevantes. Queremos que os emojis sejam úteis, populares e flexíveis. E usos múltiplos são a primeira coisa que vem à mente nesse sentido.

Foi fundamental para ajudar a introduzir emojis não binários ou sem género. Por exemplo, um corpo de grávida não é necessariamente “feminino” e as roupas de um bebé não são azuis nem rosas. Como responde às pessoas que dizem que emojis não devem ser políticos?

Quero dizer, veja, mesmo alguns anos atrás, quantas pessoas estavam a usar a palavra “eles” para uma pessoa? Isso mudou rapidamente. As imagens não são apolíticas de forma alguma. São políticas. Pegue os símbolos da casa de banho. Porque é que uma mulher usa saia? Eu entendo, é uma taquigrafia. Mas é político usar esse personagem, ou é político aceitar algo só porque é assim que foi projetado?

Quais objetivos deseja alcançar como presidente?

Estou a trabalhar de forma a criar uma estrutura e um processo que continue, esteja eu envolvida ou não.

Um dos meus objetivos é garantir que os emoji sejam conceitos globalmente relevantes. Eles têm que se relacionar com todas as pessoas do mundo. Isso não significa que os emojis tenham o mesmo sentido em todo o mundo. Gestos com as mãos podem significar coisas diferentes, por exemplo. Mas temos que conhecer a história. A corda é um bom exemplo. Tornou-se um emoji de linchamento. Temos que antecipar isso. A história é totalmente indispensável ao design. Acabamos por fazer um emoji de nó. Mesmo significado, mas o design é diferente. Essa é minha principal prioridade.

Quando você envia uma mensagem de texto, apenas com letras, espera-se que o destinatário veja a mesma mensagem digitada do lado dele. Com os emojis, ainda não chegamos lá. Nos últimos dois ou três anos, estivemos realmente nivelando todos para garantir que as imagens sejam as mesmas. A imagem de uma muleta, por exemplo, podemos alinhar os detalhes significativos? A cor, o ângulo, o tipo?

E terceiro, queremos conciliar a natureza rápida e transitória da comunicação com um processo formal para que as pessoas enviem solicitações para nos mostrar seus emojis. Assim como a linguagem, eles não param de evoluir. Podemos misturá-los para criar coisas incríveis sem a necessidade do uso de palavras. A internet é otimizada para partilhar fotos de gatos e recortes de notícias e música, mas como podemos fazer o mesmo para que todos vejam e usem os emojis?

As pessoas precisam enviar solicitações para que as suas sugestões de emojis sejam consideradas e aprovadas. Como espera não apenas conseguir diversas ideias, mas também lançar diversos emojis?

Isso é importante para mim. Publicamos os nossos documentos de estratégia a cada trimestre para obter feedback. É a forma como pensamos sobre representatividade e direcionalidade. Espero que isso desmistifique o processo e também seja útil para entendermos o porquê alguns emojis estão sendo sugeridos ou feitos. Tenho esperança de que partilhar isso signifique que não precisa concordar com como ou por que um emoji foi feito, mas pode descobrir o motivo pelo qual alguém discorda dele ou considerar outra maneira de pensar a respeito. Precisamos pensar nisso de forma holística, em vez de apenas adicionar um desenho de ornitorrinco ou um pterodátilo.

Demora dois anos para fazer um emoji do início ao fim. E nesses dois anos, muitas decisões são tomadas. Recebe sempre feedback das pessoas. Para mim, o mais útil é partilhar esses documentos com antecedência e com frequência.

O Unicode foi realmente eficaz na identificação de um problema que existia. Mas, de certa forma, a parte acessível dele foi deixada de lado. Frequentemente, não há alt tag [uma etiqueta para descrever o emoji via áudio]. E mesmo quando há, pode não explicar o seu real sentido. Como durante a era Trump, um sapo significava algo diferente do animal [Pepe, o Sapo, ou o meme triste do sapo, transformado de um simples personagem de desenho animado inofensivo num símbolo da direita alternativa, com supremacistas brancos usando-o amplamente em fóruns como 4chan e Reddit para promover tropas antissemitas e racistas]. Se o áudio disser “Sapo!” a ideia do sentido não é transmitida. Certamente há uma maneira de entender que se trata de um emoji e fazer referência a um meme ou explicar o seu significado secundário. Requer uma equipa ou padrão de acessibilidade de meme muito mais específico. É ótimo que a Internet esteja a ficar mais acessível com legendas, mas ainda há muito a melhorar. Emojis poderiam fazer melhor.

Tenho que perguntar qual é o seu emoji favorito ou mais usado.

Já que estamos trabalhando muito remotamente, eu costumo usar muito o emoji de instrumento musical. Se alguém me enviar um bug (um erro, mas que em inglês também significa inseto), enviarei um emoji de lagarta junto a um saxofone, como se estivesse a consertar o bug; e está a cantar e a tocar música. Às vezes envio até mesmo uma borboleta com um violino! Vou customizá-lo com qualquer instrumento que eu acho que eles possam tocar.

Também uso muito a face do suspiro profundo. Provavelmente é um sinal de alguma coisa.

Artigo de Tanya Basu, Senior Reporter – MIT Technology Review EUA

Tópicos