Entrevista com uma caçadora de vírus
Biotecnologia

Entrevista com uma caçadora de vírus

Provavelmente, existem muitas doenças zoonóticas que não conhecemos. Aqui está alguém cujo trabalho é encontrá-las.

Em 2009, dois agricultores com alguns dias de diferença deram entrada no hospital Heartland no Missouri, Estados Unidos, apresentando os mesmos sintomas: febre, náusea, diarreia e contagem de leucócitos em rápido declínio. Os médicos enviaram as suas amostras de sangue para os Centros de Controlo de Doenças (em inglês, abreviado como CDC), que descobriram que os dois contraíram um vírus até então desconhecido de uma picada de carrapato. O CDC o chamou de vírus Heartland. Cinco anos depois, um técnico de laboratório testando amostras de um caso suspeito de Heartland identificou outro vírus novo, apelidado de Bourbon.

Antes de Heartland e Bourbon, apenas 14 novos patógenos transmitidos por carrapatos foram detetados desde 1900. As novas descobertas apoiam as suspeitas de que patógenos zoonóticos — vírus ou bactérias que saltam de animais para humanos, como acredita-se que o SARS-CoV-2 tenha feito — são mais numerosos do que imaginávamos.

Os investigadores que detetam um novo vírus podem realmente fazer algo para evitar que este fuja de controlo? Falamos com Erin J. Staples, epidemiologista do CDC que liderou a resposta a Heartland e criou um registo de rastreamento que documentou 50 infecções até agora.

P: Com que frequência os médicos ou cientistas encontram novos vírus em humanos?

R: Diria [para doenças transmitidas por carrapatos] que a maioria dos cientistas e investigadores não descobrirá um novo vírus na sua carreira. Portanto, considero-me afortunada por ter trabalhado em alguns relativamente novos.

P: As novas descobertas de vírus geralmente acontecem por acidente? Ou porque alguém estava à procura deles?

R: Provavelmente relaciona-se mais com a primeira pergunta. Estávamos à procura de Heartland e encontramos o vírus Bourbon. Mas existem outros programas que as pessoas implementaram para tentar desenvolver algum tipo de projeto de vigilância. Olham para um quadro de doença febril aguda, ou seja, alguém que desenvolveu febre repentinamente; testam-na para patógenos conhecidos; e, quando não há mais nada lá, passam a usar diferentes técnicas, como o sequenciamento de última geração.

P: Já se passaram cerca de 10 anos desde que o vírus Heartland foi descoberto. Acredita que é mesmo um vírus novo ou sempre esteve lá e os médicos não o viram?

R: Os virologistas analisaram a sequência genética do vírus. Mudanças nas sequências podem informar sobre a evolução deles e há quanto tempo está presente. Então, eles definitivamente sabem que o vírus está presente nos Estados Unidos há décadas, se não mais.

Além disso, identificamos retrospetivamente alguns casos que ocorreram antes dos primeiros dois casos. Acreditamos que isso pode ter causado alguma doença de baixo nível há algum tempo.

P: Acredita que existem outros novos vírus que infectam pessoas nos Estados Unidos e que não são detectados?

R: Sim, e o vírus Bourbon é um bom exemplo disso. Acredito que ainda existem bactérias ou vírus semelhantes aos que conhecemos, mas que são únicos o suficiente para estarem por aí por conta própria.

Entre os pacientes com encefalite [inflamação do cérebro] de causa desconhecida, agradece se conseguir 20%, 30%, para realmente obter um diagnóstico. É por esses 70% dos casos desconhecidos que ainda somos desafiados. Todos eles poderiam ser causados ​​por vírus ou bactérias? Provavelmente. Fizemos um enorme progresso em termos de descobrir o que faz com que as pessoas fiquem mal em termos de bactérias, parasitas e vírus. Mas, obviamente, ainda há coisas a serem descobertas — novas, emergentes e antigas que estiveram lá e que não valorizamos.

P: Não há planos para uma vacina para o vírus Heartland ou quaisquer antivirais específicos. Então, por que é útil apenas saber que existe?

R: Frequentemente ouvimos essa pergunta. E é verdade, no momento não temos um antiviral eficaz.

Como clínico, é importante porque quando tem uma pessoa doente, precisa descobrir o que está a acontecer. Por exemplo, como o vírus Heartland se assemelha com erliquiose [uma infecção bacteriana transmitida por carrapatos], as pessoas costumam receber antibióticos. Para certas pessoas, os antibióticos podem causar efeitos colaterais. Também podem causar o desenvolvimento de resistência. Reduzir o uso de terapêuticas que não vão ajudar pode ser muito benéfico. Em algumas outras situações, é útil para a família. Infelizmente, houve um caso muito grave de vírus Heartland, em que o paciente não estava a melhorar. Permitir que a família soubesse que o diagnóstico foi realmente causado por um vírus que não havia como tratar e que não havia mais nada que os médicos pudessem fazer permitiu que a família tomasse a difícil decisão de deixar os seus entes queridos ir embora.

P: Como começou a identificar mais casos do vírus Heartland para o registo?

R: Obviamente, havia a necessidade de identificar e diagnosticar casos adicionais de doenças humanas. Criamos muitos protocolos para permitir que as pessoas fossem testadas enquanto estávamos trabalhando no desenvolvimento do teste.

Tínhamos que explicar aos pacientes: “Pode ter essa nova doença, para a qual estão a fazer um teste. Vamos testá-lo”. E, em geral, todos estavam dispostos a nos dar uma amostra de sangue para que pudéssemos avaliar e determinar.

Os casos adicionais que identificamos permitiram-nos melhorar os nossos testes diagnósticos e ter amostras para usar como controlos positivos, o que é muito importante.

Tudo isso aconteceu ao longo de alguns anos. Ao mesmo tempo, também tivemos os nossos entomologistas e ecologistas a trabalhar para entender um pouco melhor e validar exatamente como as pessoas estavam a ser infectadas. Se vamos contar às pessoas sobre um novo vírus, definitivamente precisamos descobrir como dizer-lhes como não ser infectadas.

Até ao momento, temos pelo menos 50 indivíduos nos Estados Unidos que identificamos e provavelmente vamos aumentar esse número. Temos números no nosso site. Também temos um mapa que mostra onde identificamos indivíduos que sabidamente estavam infectados.

Sempre que houver um novo estado em que um indivíduo foi considerado infectado, destacamos isso no nosso mapa para garantir que as pessoas saibam onde essa doença está a ocorrer. Recentemente, Iowa apresentou o seu primeiro caso.

P: Os vírus Heartland ou Bourbon têm potencial pandémico?

R: Com base no que sabemos agora, acreditamos que são limitados no âmbito geográfico. Definitivamente, algumas das nossas doenças transmitidas por carrapatos têm potencial de surgirem em grande escala. Essa é uma das razões pelas quais realizamos vigilância: para entender onde estão e ter certeza de que não estamos a ver nada único ou diferente. E tentamos garantir que todos fiquem atentos e se mantenham o mais saudáveis ​​possível e tomem medidas de prevenção, incluindo o uso de repelente de insetos quando estiverem ao ar livre.

P: Pensa que a atual pandemia da Covid-19 poderia ter sido evitada se tivesse surgido antes?

R: Quando está a tentar descobrir um novo vírus e entendê-lo, tentar contê-lo quando é algo tão infeccioso e transmissível, acredito que teria sido difícil de fazer isso.

P: Crê que veremos outra pandemia nas nossas vidas? E o que a comunidade científica pode fazer para evitar que isso aconteça?

R: Eu penso que será uma questão de tempo antes de vermos outra. Seria de se esperar que esteja na mesma escala de tempo que vimos anteriormente com a gripe espanhola de 1918. Portanto, podemos não ver isso novamente em nossas vidas.

Mas as coisas que fazemos como humanos — como a facilidade de viajar pelo mundo, que não existia na última pandemia — pode definitivamente ajudar a espalhar a doença. Repito que definitivamente existem muitos vírus e bactérias potenciais não descobertos por aí. Como eles circulam, como nos afetam e como podem ser transmitidos definitivamente impactarão se, e em que grau veremos doenças humanas.

Artigo de Mallory Pickett, Contribuitor – MIT Technology Review EUA

Tópicos