Rocket Lab pode ser o maior rival da SpaceX
Natureza e espaço

Rocket Lab pode ser o maior rival da SpaceX

Com o anúncio de um foguete totalmente novo chamado Neutron, a empresa espacial privada está a desafiar a Blue Origin como principal concorrente da SpaceX.

Na indústria espacial privada, pode parecer que existe a SpaceX e depois, o resto do mundo. Apenas a Blue Origin, apoiada pelo seu próprio fundador bilionário, Jeff Bezos, parece capaz de atrair o mesmo nível de atenção. E a Blue Origin ainda nem foi além do espaço suborbital.

Em breve, a Rocket Lab terá algo a dizer sobre esse duopólio. A empresa, fundada na Nova Zelândia e sediada em Long Beach, Califórnia, só perde para a SpaceX no que diz respeito à frequência de lançamento – as duas são ostensivamente as únicas empresas americanas que regularmente entram em órbita. O seu pequeno foguete Electron voou 18 vezes em pouco menos de quatro anos e enviou quase 100 satélites ao espaço, com apenas dois lançamentos fracassados.

A 1 de março, a empresa deixou as suas ambições ainda mais claras quando revelou os planos para um novo foguete chamado Neutron. Com 40 metros de altura e capaz de carregar 20 vezes o peso que o Electron pode, o Neutron está a ser elogiado pela Rocket Lab como a sua entrada no mercado de grandes lançamentos de mega-constelações de satélites, bem como futuras missões robóticas à Lua e Marte. Ainda mais tentador, a Rocket Lab diz que o Neutron também será projetado para voos espaciais humanos. A empresa chama-o de “alternativa direta” ao foguete da SpaceX, o Falcon 9.

“A Rocket Lab é uma das histórias de sucesso entre as pequenas empresas de lançamento”, diz Roger Handberg, especialista em política espacial da University of Central Florida. “Eles estão a entrar no território das empresas de lançamento maiores e mais consolidadas – especialmente a SpaceX”.

Essa ambição foi ajudada por outra notícia anunciada a 1 de março: a fusão da Rocket Lab com a Vector Acquisition Corporation. Unir forças com uma empresa de aquisição de propósito específico, um tipo de empresa que aparentemente permite que outro negócio abra o capital sem um IPO, permitirá que a Rocket Lab beneficie de um influxo maciço de dinheiro que lhe dá um novo valor de US $4,1 mil milhões. Grande parte desse dinheiro vai para o desenvolvimento e teste do Neutron, que a empresa quer começar a usar em 2024.

É uma espécie de reviravolta para a Rocket Lab. O CEO Peter Beck tinha sido indiferente à ideia de construir um foguete maior que pudesse lançar cargas úteis maiores e potencialmente oferecer lançamentos para vários clientes ao mesmo tempo.

Mas o mercado de satélites adotou missões “de boleia” em órbita, especialmente devido ao surgimento de mega-constelações de satélites, que provavelmente formarão a maioria dos satélites lançados em órbita na próxima década. O Neutron é capaz de levar 8.000 quilogramas até a órbita baixa da Terra, o que significa que pode enviar dezenas de cargas úteis para a órbita ao mesmo tempo. Como um mea culpa despreocupado, o vídeo introdutório da Neutron mostrava o empresário Beck a comer o seu próprio boné.

Neutron coloca a Rocket Lab em uma etapa de competição mais acirrada com a SpaceX de outras maneiras também. Ambas as empresas estão investindo em voos espaciais mais baratos por meio do uso de materiais de baixo custo e sistemas reutilizáveis. O booster de primeiro estágio do Neutron será projetado para pousar verticalmente em uma plataforma oceânica, assim como o booster de primeiro estágio do Falcon 9 da SpaceX.

As comparações com a SpaceX não param por aí. A Rocket Lab afirma que o Neutron será projetado para que possa ser certificado a fazer missões humanas em órbita e para a Estação Espacial Internacional (EEI) – exatamente como a SpaceX faz atualmente. O design do Neutron é comparável ao do veículo de lançamento russo Soyuz, que pode levar trios de astronautas à EEI. E, claro, ambas as empresas estão interessadas em missões para destinos além da órbita. O Neutron será capaz de enviar cargas úteis de 2.000 kg para a Lua e cargas úteis de 1.500 kg para Marte e Vênus.

Ainda existem algumas diferenças. Ao contrário da SpaceX com o seu veículo Crew Dragon, a Rocket Lab ainda não está a construir as suas próprias cápsulas de tripulação. Se o Neutron pode começar a colocar humanos em órbita, não está claro exatamente com quais veículos. A Rocket Lab não está a construir uma nave espacial interplanetária como a Starship. E não está a tentar criar um serviço global de Internet via satélite como a Starlink. O único grande projeto da Rocket Lab fora dos foguetes é a plataforma de satélite Photon (a infraestrutura da espaçonave que geralmente informa ao controle de solo onde o satélite está em órbita).

E o Neutron não funcionará simplesmente de forma imediata. Torná-lo reutilizável exigirá teste após teste (nem mesmo o Electron é totalmente reutilizável ainda). O design do motor do Neutron é muito grande e complexo para ser simplesmente adaptado do Electron, então a empresa deve começar do zero e descobrir como vai escalar a produção novamente.

Sem surpresa, o voo espacial humano será o grande desafio da empresa. “O seu novo veículo os tornará mais competitivos no que diz respeito a cargas úteis”, diz Handberg. “O voo espacial humano é mais problemático”. A EEI é um destino, mas a Rocket Lab competirá com a SpaceX e a Boeing por esses contratos. Talvez possa encontrar negócios por meio do turismo espacial, mas essa indústria ainda está na sua infância.

E então há a segurança. “A Rocket Lab tem um problema de competição, mas isso será secundário em relação ao custo de fazer o novo veículo ser classificado e construir uma infraestrutura para dar suporte às operações”, disse Handberg. “A SpaceX está longe de problemas por um triz com o Crew Dragon”. O voo de teste da Starliner que fracassou em dezembro de 2019 atrasou as esperanças da Boeing de enviar pessoas ao espaço por pelo menos mais de um ano. Com o Neutron, no entanto, a discórdia entre a SpaceX e a Rocket Lab diminuiu repentinamente no que diz respeito ao impacto na indústria espacial comercial. Se e quando o Neutron estiver pronto para voar em 2024, estarão ainda mais próximas.

Tópicos